terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Viver despenteada - Feliz 2010!

Recebi um email muito bonitinho que me tocou o coração. Achei tão puro e verdadeiro que repassei as amigas queridas e foi uma grande surpresa quando uma delas me respondeu "Adorei a mensagem descabelada, sua massagem também me deixa descabelada...por isso é tão boa?"
Em homenagem a essa amiga descabelada e a todos que adoram curtir a vida, deixo a vocês também, leitores queridos, meus votos de despentear-se!
Feliz 2010!
Namaste!
Alexandra


Hoje aprendi que é preciso deixar que a vida te despenteie,
por isso decidi aproveitar a vida com mais intensidade...
O mundo é louco, definitivamente louco...
O que é gostoso, engorda. O que é lindo, custa caro.
O sol que ilumina o teu rosto enruga..
E o que é realmente bom dessa vida, despenteia...
- Fazer amor, despenteia.
- Rir às gargalhadas, despenteia.
- Viajar, voar, correr, entrar no mar, despenteia..
- Tirar a roupa, despenteia.
- Beijar a pessoa amada, despenteia.
- Brincar, despenteia.
- Cantar até ficar sem ar, despenteia..
- Dançar até duvidar se foi boa idéia colocar aqueles saltos gigantes essa noite, deixa seu cabelo irreconhecível...


Então, como sempre, cada vez que nos vejamos
eu vou estar com o cabelo bagunçado...
mas, pode ter certeza que estarei passando pelo momento mais feliz da minha vida.
É a lei da vida: sempre vai estar mais despenteada a mulher que decide ir no primeiro carrinho da montanha russa, do que aquela que decide não subir.

Pode ser que me sinta tentada a ser uma mulher impecável,
toda arrumada por dentro e por fora.
O aviso de páginas amarelas deste mundo exige boa presença:
Arrume o cabelo, coloque, tire, compre, corra, emagreça,
coma coisas saudáveis, caminhe direito, fique séria...
e talvez deveria seguir as instruções, mas
quando vão me dar a ordem de ser feliz?
Por acaso não se dão conta que para ficar bonita
eu tenho que me sentir bonita...
A pessoa mais bonita que posso ser!

O que realmente importa é que ao me olhar no espelho, veja a mulher que devo ser.
Por isso, minha recomendação e meu desejo de ano novo para todas vocês:

Entregue-se, Coma coisas gostosas, Beije, Abrace,
dance, apaixone-se, relaxe, viaje, pule, durma tarde, acorde cedo, Corra, Voe, Cante, arrume-se para ficar linda, arrume-se para ficar confortável!
Admire a paisagem, aproveite,
e acima de tudo, deixe a vida te despentear!

O pior que pode acontecer é que, rindo em frente ao espelho, você precise se pentear de novo...

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Quem somos nós?

Click na imagem para amplia-la

Alexandra Giorjão Pizzo - Esteticista e Terapeuta Corporal / Ayurveda

Dra. Maira Pazian Liranço Costa (CREFITO 20183-F) - Fisioterapeuta Dermatofuncional

Luciana Kimie Kato Farias - Acupunturista

Maria Aparecida Saes Antunes (Neguinha) - Facilitadora do Pathwork

Eliana Fátima de Almeida Chagas Abdo - Instrutora de Yoga (baseado no método Iyengar)

Edith Prado do Livramento Barretto Musarra 0 Instrutora de Yoga (baseado no método Hatha Yoga)

Lucia Ramos de Toledo (CERT 2609858/97) - Terapeuta Floral

Dra. Viviane Ramos de Toledo Rocha (CREFITO 84899-F) - Microfisioterapeuta

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

Feliz Natal e Próspero 2010

Click na imagem para amplia-la.

Retorno das atividades em 04/01/2010.
Estética Facial e Corporal
Massagens Relaxantes
Terapias Ayurvédicas
Acupuntura
Pathwork

Retorno em 23/01/2010
Microfisioterapia
Terapias Florais

Retorno em fevereiro
Hatha Yoga e Iyenga Yoga

Em Janeiro ficaremos temporariamente sem secretária. Deixe seu recado na secretária eletrônica que entraremos em contato assim que possível. Ou mande email para beleza.zen@hotmail.com
Agradeço desde já sua compreensão.
Alexandra Pizzo

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Reveillon Zen

Existem milhares de lugares no mundo para se curtir um inesquecível Reveillon. O dia 31/12, para nós, que seguimos o calendário gregoriano, representa, antes de mais nada, o fechamento de um ciclo. O novo ciclo, 2010, representa uma nova oportunidade, e nos traz frescor, energia e garra.
Preparei umas dicas de reveillon diferente para você que deseja fugir da loucura e começar o Ano Novo com muita harmonia e vitalidade.
Namastê!
Alexandra Pizzo
Yoga no Brasil
“Reveillon da Paz e Renovação 2009-2010” foi o nome escolhido para batizar esta passagem de ano organizada pelo Centro de Yoga “Montanha Encantada”, localizado no estado brasileiro de Santa Catarina. Paredes-meias com praias paradisíacas, trilhos ecológicos e piscinas naturais, este espaço preparou uma estadia de seis dias que promete um início de 2010 em estado de paz, relaxamento, revitalização e integração com a natureza. Assim, o programa inclui alojamento, refeições vegetarianas, sessões de yoga e meditação, palestras, cantos e uma celebração especial no último dia do ano. Se não puder ir nesta época, marque viagem para as próximas férias e faça um curso sobre uma das muitas áreas do yoga, como asanas, chakras ou mudras.
Contato: www.yogaencantada.org
Relax na Bahia
Sat Sanga. A expressão indiana que em sânscrito significa reunião em boa companhia serve de mote a esta viagem até ao nordeste brasileiro, com 1001 razões para relaxar, descansar e cuidar do corpo e da alma. A mais irresistível é mesmo o SPA Sat Sanga do Hotel Vila Galé Marés (a 40 km de São Salvador), que oferece um leque variado de massagens, tratamentos e pacotes de beleza, anti-stresse ou pré-natal.
Contato: www.vilagale.pt
São Paulo - Serra da Cantareira
Spa Unique Garden
Renove a alma para entrar com o pé direito em 2010: tudo o que você precisa fazer é se deixar levar pelos rituais do spa. Há campo de treinamento de golfe, quadra de tênis, fitness center com personal trainers e atividades como yoga, meditação, pilates e alongamento. Duas piscinas de água mineral, dois helipontos e canil – para quem não consegue desgrudar do bichano!

Meditação no Algarve- Portugal
Deite fora as velhas energias e limpe a mente no Monte Mariposa, no Algarve. Um convite a escutar o nosso coração, sentir o nosso corpo e a nossa respiração. Inúmeras atividades, como sessões de yoga, movimento e meditação, além de uma cerimônia de transição para relaxar no silêncio.
Contatos: www.montemariposa.pt
Sempre novidades pelo blog: http://belezazenonline.blogspot.com/
E agora tambem no Twitter: http://twitter.com/BelezaZen

domingo, 29 de novembro de 2009

Lições de Vida

Lindo texto para se lembrar sempre!!

Aproveitem...

Namastê!


ESCRITO POR REGINA BRETT, 90 ANOS, CLEAVELAND, OHIO.

"Para celebrar o envelhecer, uma vez eu escrevi 45 lições que a vida me ensinou. É a coluna mais requisitada que eu já escrevi. Meu taxímetro chegou aos 90 em agosto, então, aqui está a coluna, mais uma vez:


1. A vida não é justa, mas ainda é boa.

2. Quando estiver em dúvida, apenas dê o próximo pequeno passo.

3. A vida é muito curta para perdermos tempo odiando alguém.

4. Seu trabalho não vai cuidar de você quando você adoecer. Seus amigos e seus pais vão. Mantenha contato.

5. Pague suas faturas de cartão de crédito todo mês.

6. Você não tem que vencer todo argumento. Concorde para discordar.

7. Chore com alguém. É mais curador do que chorar sozinho.

8. Está tudo bem em ficar bravo com Deus. Ele agüenta.

9. Poupe para a aposentadoria, começando com seu primeiro salário.

10. Quando se trata de chocolate, resistência é em vão.

11. Sele a paz com seu passado, para que ele não estrague seu presente.

12. Está tudo bem em seus filhos te verem chorar.

13. Não compare sua vida com a dos outros. Você não tem idéia do que se trata a jornada deles.

14. Se um relacionamento tem que ser um segredo, você não deveria estar nele.

15 Tudo pode mudar num piscar de olhos; mas não se preocupe, Deus nunca pisca.

16. Respire bem fundo. Isso acalma a mente.

17. Se desfaça de tudo que não é útil, bonito e prazeroso.

18. O que não te mata, realmente te torna mais forte.

19. Nunca é tarde demais para se ter uma infância feliz. Mas a segunda só depende de você e mais ninguém.

20. Quando se trata de ir atrás do que você ama na vida, não aceite "não" como resposta.

21. Acenda velas, coloque os lençóis bonitos, use a lingerie elegante. Não guarde para uma ocasião especial. Hoje é especial.

22. Se prepare bastante; depois, se deixe levar pela maré...

23. Seja excêntrico agora, não espere ficar velho para usar roxo.

24. O órgão sexual mais importante é o cérebro.

25. Ninguém é responsável pela sua felicidade, além de você.

26. Encare cada "chamado" desastre com essas palavras: Em cinco anos, vai importar?

27. Sempre escolha a vida.

28. Perdoe tudo de todos.

29. O que outras pessoas pensam de você não é da sua conta.

30. O tempo cura quase tudo. Dê tempo.

31. Indepedentemente de a situação ser boa ou ruim, irá mudar.

32. Não se leve tão a sério. Ninguém mais leva...

33. Acredite em milagres.

34. Deus te ama por causa de quem Ele é, não pelo que vc fez ou deixou de fazer.
35. Não faça auditoria de sua vida. Apareça e faça o melhor dela agora.

36. Envelhecer é melhor do que morrer jovem.

37. Seus filhos só têm uma infância.

38. Tudo o que realmente importa, no final, é que você amou.

39. Vá para a rua todo dia. Milagres estão esperando em todos os lugares.

40. Se todos jogássemos nossos problemas em uma pilha e víssemos os de todo mundo, pegaríamos os nossos de volta..

41. Inveja é perda de tempo. Você já tem tudo o que precisa.

42. O melhor está por vir.

43. Não importa como vc se sinta, levante, se vista e apareça.

44. Produza.

45. A vida não vem embrulhada em um laço, mas ainda é um presente "


Estudo liga meditação a menor risco em cardiopata


Publicado na Folha de São Paulo do dia 24 de novembro, caderno Saúde.

Pesquisa seguiu pacientes por cinco anos e foi apresentada em congresso nos EUA

Para especialistas, a técnica tem efeito antiestresse, reduzindo níveis de cortisol e adrenalina (que elevam a frequência cardíaca)


GABRIELA CUPANI
DA REPORTAGEM LOCAL

Praticar meditação pode ajudar a reduzir quase pela metade o risco de sofrer um ataque cardíaco ou um AVC (acidente vascular cerebral) em pacientes com doença cardiovascular. Esse é o resultado de um estudo apresentado no congresso da American Heart Association, realizado em Orlando.
Segundo os autores da pesquisa, feita no Medical College of Wisconsin e patrocinada pelo instituto americano de saúde, trata-se do primeiro estudo controlado que constatou os benefícios a longo prazo da técnica sobre eventos no coração.
Os pesquisadores acompanharam 201 pacientes, com idade média de 59 anos, durante cinco anos. Todos tinham aterosclerose (depósito de gordura nas paredes das artérias).
Eles foram separados em dois grupos. Um foi submetido a um programa de meditação transcendental, praticado duas vezes por dia durante 15 ou 20 minutos. O outro foi considerado o grupo controle. Todos continuaram recebendo os remédios que já tomavam.
Ao final d o período, no grupo que praticou meditação houve 20 eventos, como ataques cardíacos, derrames e mortes. Entre os demais, foram 32. Os que meditaram também tiveram uma redução da pressão arterial de cinco milímetros de mercúrio (a medida usada para pressão), em média.
"A meditação tem um efeito antiestresse, com queda nos níveis de cortisol e adrenalina", explica o psicólogo José Roberto Leite, chefe do núcleo de medicina comportamental da Universidade Federal de São Paulo.
Sabe-se que os hormônios relacionados ao estresse (como o cortisol e a adrenalina) interferem no metabolismo e aumentam a frequência cardíaca, a pressão arterial e os níveis de gorduras -o que tem um impacto direto na saúde cardiovascular. A longo prazo, os efeitos do estresse também abalam o sistema imunológico.
"É um trabalho científico sério que corrobora o que já se observava na prática", diz o cardiologista Carlos Alberto Pastore, do InCor (Instituto do C oração). Segundo ele, qualquer atividade que alivie o estresse reduz também o risco cardíaco.
"A pessoa que medita consegue enfrentar melhor o estresse", diz Norvan Leite, médico especialista em medicina chinesa e responsável pela implantação da primeira sala de meditação em um hospital público e pelo serviço de acupuntura no Hospital do Servidor Público Municipal, em São Paulo. "A prática altera o organismo como um todo", observa.

Depressão
Outro estudo sobre o assunto, publicado no periódico científico "American Journal of Hypertension", demonstrou que a meditação também é eficaz para reduzir a pressão arterial, a ansiedade e a depressão. A pesquisa, feita na American University, em Washington, acompanhou por três meses 298 estudantes universitários, divididos em dois grupos.
"A meditação promove mudanças neuroquímicas significativas com a liberação de endorfinas", completa José Roberto Leite, da U nifesp.
Segundo o psicólogo, após um mês de prática regular é possível observar alguns benefícios. "Mas deve-se encarar a meditação como a alimentação ou a atividade física e incorporá-la à rotina", afirma.

terça-feira, 17 de novembro de 2009

1º Congresso Brasileiro de Ayurveda - 14 e 15 de Novembro de 2009

Realizado neste último final de semana, o 1º Congresso de Ayurveda foi um evento emocionante que reuniu renomados palestrantes brasileiros e internacionais.
Após vários Encontros Brasileiros nos diversos Estados a ABRA organizou o 1° Congresso Brasileiro de Ayurveda para comemorar junto de todos os amigos ayurvédicos, os 10 anos de suas atividades e de suas conquistas.


Durante o horário de almoço, eu e minhas amigas Andrea e Paloma, realizamos uma pesquisa de campo onde visitamos o Espaço Nirvana situado dentro do Jockey Club, na Gavea. Almoçamos no charmoso restaurante organico e conhecemos todo o estabelecimento, com suas salas de yoga, pilates e spa. (http://www.enirvana.com.br)

Foram dias de encontros de velhos amigos mas tambem novos contatos e oportunidades.


Palestras brilhantes como a do Dr. Cesar Deveza, sobre Filosofia Samkhya, que nos inspiram a continuar os estudos para autoconhecimento e doação de nosso tempo ao ser humano próximo.

Durante um dos sorteios fui presenteada com o livro "Autobiografia de um Iogue - Paramahansa Yogananda". Uma obra lindíssima, que deixo como dica de leitura a vocês.



E para terminar o coongresso palestra sobre Rasayana - Terapia de Rejuvenescimento, com Sheila Quintaneira, um incentivo a beleza da mulher e os cuidados diarios.

Posted by Picasa

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Mente pacificada e coração apaziguado

Essa postagem é em homenagem a minha professora de Yengar Yoga, Eliana, que sempre canta essa musica para o grupo.
Letra da musica Serra do Luar escrita por Walter Franco e interpretada pela cantora Leila Pinheiro

http://www.youtube.com/watch?v=-QDw_tXTlNk&feature=player_embedded

Tudo é uma questão de manter
A mente quieta
A espinha ereta
E o coração tranquilo
Tudo é uma questão de manter
A mente quieta
A espinha ereta
E o coração tranquilo
A toda hora, todo momento
De dentro prá fora
De fora prá dentro

Namaste!

sábado, 31 de outubro de 2009

Não confunda Açafrão e Açafrão-da-terra











Queridos, essa postagem eu copiei parte do Blog Indiagestão da maravilhosa Sandra. Se nao conhecem, vale muito conhecer! http://indiagestao.blogspot.com

Açafrão

O tempero mais caro do mundo eh o Acafrao produzido no vale da Caxemira, na India.

O Acafrao sao os pestilos da flor Crocus Sativus.

Cada flor da somente 3 pestilos, que apos serem removidos devem ser secos ao sol e guardados em local sem umidade.

Meio quilo de acafrao requer pestilos de cerca de 65 mil flores, o que cobre uma area de 2 (dois) campos de futebol e 40 horas de trabalho para serem colhidos.

O preco, no atacado, de meio quilo de acafrao eh de no minimo US$ 500 (quinhentos dolares).

O preco no varejo chega a US$ 2 mil dolares nos paises ocidentais.

Naturalmente ninguem compra meio quilo de acafrao, que invariavelmente eh vendido em gramas em caixinhas diminutas.

Somente 3 pestilos ja sao o suficiente para dar cor e sabor a 1 xicara de arroz.

Açafrão-da-Terra ou Curcuma

O açafrão-da-terra (Curcuma longa), conhecido também como cúrcuma, turmérico, açafrão-da-índia, açafroa e gengibre amarelo, é uma planta herbácea família do gengibre, originária da India e Indonésia. Dela se obtém uma especiaria de mesmo nome que é o principal componente do tempero do caril ou curry. Sua característica principal é como digestivo e ativador da função hepática.

Da sua raiz seca e moída se extrai o pó, utilizado como condimento ou corante de cor amarela e brilhante, na culinária e no preparo de medicamentos.

A cúrcuma, que em inglês se chama turmeric e em hindu haridra, é um desses temperos com os quais a vida melhora muito. E seu valor medicinal é tão grande que faz toda comida virar remédio.

Seu apelido “açafrão-da-terra” se deve à semelhança da cor da cúrcuma com a dos caríssimos estigmas da flor de açafrão, Crocus sativus, que dão um inigualável aroma e cor amarelada aos pratos com eles preparados na Espanha, na Índia, no Irã.

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Blog Action Day - Climate Change - Extinção de Plantas Ayurvédicas


Muito se fala sobre aquecimento global e alterações climáticas. Mas você realmente sabe o que isso quer dizer e como pode afetar a sua vida?

Alteração climática (”climate change”) traduz mudanças de longo prazo no clima de uma determinada região ou planeta. Esta mudança é medida pelas alterações nas características das condições médias meteorológicas, tais como, a temperatura, os padrões do vento e da precipitação, etc.

Ouvimos todos os dias nos jornais e tvs que essa ameaça existe. Porém pouco se faz para mudar a vida das pessoas já que são situações ainda pouco ameaçadoras, pelo processo lento que acontecem.

Mas a ameaça já não esta tão teórica mais. Muitas mudanças são perceptíveis no nosso dia já. Alguns períodos de frio e chuva em épocas que eram secas. Furações e enchentes no sul do nosso país que nao tinhamos relatos até então.

No campo do Ayurveda essas alterações também estão ocorrendo. Recentemente médicos indianos praticantes do Ayurveda se reuniram para discutir o que fazer, já que muitas das ervas medicinais ayurvédicas estão desaparecendo e correndo risco de extinção. Isso compromete a saúde de toda uma população que tem sua medicina tradicional de mais ed 5000 anos baseadas em ervas encontradas naturalmente por todo o territorio da India. Além de mais de 600.000 medicos que utilizam delas no dia a dia de seus consultorios.

'Devido as mudanças climaticas, os habitats naturais estão sofrendo desequilibrios. Por causa disto muitas plantas medicinais estão desaparecendo. Este é um grande desafio para nós.' falou Patil um praticante de ayurveda indiano.

'Para encarar isso, nós precisamos fazer um esforço. Precisamos catalogar essas plantas que estão desaparecendo e mover esforços para replantá-las.' disse o presidente durante ao evento All India Ayurveda Congress.

Isso acontece do outro lado do planeta, mas é um evento preocupante para toda a humanidade. Não só nossos medicamentos ayurvédicos estão sendo extintos. Junto estão caminhando nossas ervas brasileiras amazônicas, muitas ainda desconhecidas.

A natureza é abençoada e nos fornece tudo o que precisamos. Vamos juntos neste dia de Blog Action Day parar para refletir o que cada um pode fazer hoje, e amanhã e depois, para não sermos seres parasitas de um planeta tão belo.

Leia o texto original sobre Plantas Ayurvédicas em extinção:

http://sify.com/news/fullstory.php?a=jkhsacdjjfb&title=Climate_change_affecting_ayurveda_livelihood_of_600_000_doctors
(site em inglês)

Namaste!
Alexandra



segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Acupuntura ajuda a eliminar celulite e gordura localizada

Eletroacupuntura ajuda a combater a celulite e a gordurinha localizada

A técnica milenar chinesa está ganhando mais adeptos para tratamentos na área estética, já que os resultados são bem eficazes. O tratamento que combate a celulite e gordura localizada é conhecido como eletroacupuntura e atua renovando as células e eliminando gorduras e toxinas do corpo. "As agulhas são presas por eletrodos que emitem estímulos suaves e indolores na musculatura. Esses estímulos atuam promovendo a lipólise, ou seja, a autodestruição da gordura", disse a médica estética e acupunturista Elaine Monteiro.

Para obter resultados satisfatórios é necessário que a paciente faça no mínimo dez sessões de eletroacupuntura, que devem ser realizadas duas vezes por semana. Porém, para a psicóloga Helena Araújo, 49 anos, o tratamento apresentou efeito logo na primeira sessão. "Perdi três centímetros na barriga, fiquei muito feliz com o resultado". O efeito foi tão satisfatório que ela decidiu continuar com as sessões durante oito meses, o que lhe rendeu uma barriga bem definida e um enrijecimento dos músculos.

Para Helena, o grande diferencial da acupuntura, comparada com outros tratamentos estéticos, é que ela trabalha a pessoa como um todo, e não apenas uma parte do corpo. Além disso, segundo ela, não existem efeitos colaterais e não prejudica o organismo "O método busca colocar o corpo todo em equilíbrio. Com isso, a pessoa fica mais saudável e eleva sua autoestima", disse a acupunturista.

Porém, é bom lembrar que não existem milagres. Como todo tratamento estético, ela deve ser combinada com hábitos saudáveis, como alimentação equilibrada e exercícios físicos, para conseguir atingir efeitos mais rápidos e duradouros. "Pela visão da medicina tradicional chinesa, a celulite é provocada por acúmulo de umidade provocada por nossos maus hábitos."

Envelhecimento facial
Além de eliminar celulite e gordura localizada, a acupuntura estética também é eficiente no combate ao envelhecimento facial e em casos de acne, vitiligo e dermatite. O método é semelhante ao usado na eliminação da celulite, porém as agulhas são menores e específicas para a área do rosto.

Helena também experimentou essa técnica na face e conta que teve bons resultados. "De imediato você percebe um preenchimento natural, parecido com um botox. A pele fica bem luminosa, rejuvenesce bastante. Eu também tinha algumas manchas no rosto e elas desapareceram".

Segundo a acupunturista, isso acontece porque a técnica melhora a oxigenação do tecido facial, promovendo uma hidratação melhor do rosto, diminuindo a oleosidade e a redução de rugas, deixando a pele com uma aparência mais jovem.

Venha fazer uma avaliação com nossa acupunturista Luciana Kimie Kato. Possue 3 anos de experiência em Acupuntura e especialização em Acupuntura Estética e Obesidade.

Namaste!

Alexandra Pizzo
Beleza Zen - (18) 3641 6006

sábado, 10 de outubro de 2009

Kyudo e Cerimônia do Chá

Kyudo (弓道) (O Caminho do Arco), é a arte marcial japonesa do tiro com arco. Apesar da sua actual forma ter evoluído, ao longo das últimas décadas, para uma unificação, trata-se da mais antiga arte marcial japonesa, com as primeiras referências históricas a datarem do século VII da nossa era.
Propósitos do kyudo
Na sua forma actual, o kyudo é práticado como uma forma de desenvolvimento da pessoa em sentido integral, através do corpo nas suas componentes física e mental. No Japão muitos arqueiros praticam o kyudo com uma vertente de desporto. Segundo o Manual de Kyudo da Federação Japonesa de Kyudo (ANKF), a verdade do kyudo está na unidade de três princípios, (1) a estabilidade do corpo, (2) a estabilidade da mente e (3) a estabilidade do arco. Dedicar-se e concentrar-se completamente no tiro é, então, um objetivo que está para além do mero acertar o alvo.
O arco foi uma arma de guerra sobretudo entre os séculos XII e XVI. Para além disso, o tiro foi também, e desde os século VI, utilizado em cerimónias de corte. Como arma foi perdendo importância após a introdução das armas de fogo pelos portugueses no século XVI. As escolas de tiro com arco, então existentes, evoluem para formas de tiro onde a ênfase é colocada tanto nos aspectos técnicos e físicos quanto nos aspectos mentais e formais do tiro. A palavra kyudo começa a utilizar-se ao longo do século XVII, a par da designação corrente que ainda hoje subsiste de kyujutsu; é a partir do início do século XX que a designação de kyudo se generaliza.
A partir de 1930 surgiram os primeiros esforços para unificar a prática do kyudo, uma vez que existência de várias escolas, cada uma com várias técnicas e formas de tiro, dificultava a prática conjunta. É em 1934 que surge o primeiro manual de kyudo que propõe um conjunto de princípios comuns. No entanto é só após a segunda guerra mundial, e com a formação da Federação Japonesa de Kyudo, que o objectivo de unificar e normalizar os procedimentos do tiro oriundos das diversas escolas é atingido e aceite no Japão, permitindo o desenvolvimento do kyudo no mundo e estabelecer uma prática comum onde diferentes formas e estilos possam coexistir e atirar em conjunto. Como consequência é publicado em 1953 o Manual de Kyudo (com 4 volumes actualmente), que foi revisto e ampliado em 1971 e do qual existe, para o volume 1, uma tradução oficial em inglês e uma adaptação em francês. Este manual é uma fonte e uma referência para todos os praticantes de kyudo qualquer que seja o seu nível.
A síntese e unificação das diversas formas de tiro pela ANKF fez-se em paralelo com as escolas tradicionais. As tradições de tiro antigas são ainda mantidas e transmitidas em paralelo com o desenvolvimento do kyudo pela ANKF. Cada escola pratica o kyudo através da coexistência das suas formas com as da ANKF.
Alguns núcleos e escolas no Japão mantêm-se à margem da ANKF, evitando por exemplo o uso das graduações em dan, e mantendo estritamente as suas formas tradicionais de tiro.
O arco japonês tem um significado cultural amplo no Japão. A sua utilização não se limita ao kyudo, sendo utilizado no tiro a cavalo (yabusame) e em cerimónias religiosas (shintoísmo sobretudo), nas actividades diárias de alguns mosteiros zen em cerimónias diversas como baptizados e aberturas de torneios de sumô.

Cerimônia do Chá
A cerimônia do chá, conhecida como chanoyu em japonês, é um passatempo estético peculiar ao Japão que se caracteriza por servir e beber o matcha, um chá verde pulverizado.
O desenvolvimento das maneiras cotidianas da maioria dos japoneses tem sido influenciado basicamente por formalidades como as que são observadas na cerimônia chanoyu. Como resultado disso, é costume bastante difundido entre as moças antes do casamento, receber aulas nessa arte a fim de cultivar a postura e o refinamento oriundos da etiqueta da chanoyu.

A cerimônia propriamente dita.
A cerimônia do chá regular consiste:
1. da primeira sessão na qual uma refeição ligeira, denominada kaiseki, é servida;
2. da nakadachi ou breve pausa;
3. da gozairi , a parte principal da cerimônia, onde o chá é servido e
4. da ingestão do usuichá ou chá de textura fina.
Toda a cerimônia leva cerca de quatro horas. Frequentemente, apenas o usuicha é servido, o que requer cerca de uma hora.
As regras seguidas nessa cerimônia são as seguintes:
a) O chá é feito individualmente para cada convidado com duas a duas e meia conchas de matcha. Espera-se que cada convidado beba toda a sua porção.
b) o convidado limpa a parte da tigela que seus lábios tocaram com os dedos da mão direita e, em seguida, limpa os dedos dela com o kaishi de papel.
Depois que o anfitrião retira os utensílios da sala, ele faz uma reverência silenciosa com a cabeça para os convidados, dando a entender que a cerimônia terminou. Os convidados deixam a sukiya, despedindo-se do anfitrião.


Venha saborear conosco uma tarde de cultura oriental!

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Breve Curriculum Vitae de Alexandra

Formada Bacharel em Ciências Biológicas pela UNESP de São José do Rio Preto em 1995.

Curso de estética corporal e massoterapia pelo Centro de Estudos de Cosmetologia Aplicada (Valmari) - São Paulo em 1999.

Curso de Shiatsu pelo SENAC São Paulo em 1999.

Curso de Reflexologia Podal pelo SENAC São Paulo em 1999.

Curso de Massagem Ayurvedica com Jaques Delgado em 2000.

Curso de Seitai – Quiropraxia Japonesa com Edvaldo Oliveira da Cruz (divulgador do Seitai no Brasil) em 2000.

Curso de Terapia das Pedras Quentes com Ala Szerman em 2007.

Curso de Formação de Terapeuta Ayurveda (Básico) pelo Instituto de Cultura Hindu Naradeva Shala, São Paulo em 2007.

Curso de Formação de Terapeuta Ayurveda (Intermediario) pelo Instituto de Cultura Hindu Naradeva Shala, São Paulo em 2008.

Curso Avançado de Ayurveda pela Academia Internacional de Ayurveda de Puna – Índia em 2009.

Curso de Herbologia Ayurvédica com Dr. Danilo M. Carneiro no Centro de Yoga Montanha Encantada, em Garopaba - SC em 2009.

Curso de "Drenagem Linfática Manual" ministrado pelo Dr. Leduc pela Ecole de Drainage Lymphatique de Bruxelles, São Paulo em 2009.

Curso de Formação em Anatomia Emocional de Stanley Keleman com Regina Favre e equipe, Araçatuba - SP em 2009.

Nutrição Ayurvedica



Queridos amigos e clientes,


Estamos agendando a vinda de uma Nutricionista com enfase em Ayurveda para a próxima semana.


Leia mais sobre o programa abaixo.


Informações e agendamentos no Beleza Zen, 18-3641 6006.


Namastê!


Alexandra Pizzo


PROCURE A NUTRIÇÃO AYURVÉDICA:
Mais do que cálculos nutricionais, tão importantes, porém não unicamente necessários para o completo entendimento do Indivíduo, mais do que tabelas generalistas que nem sempre traduzem a realidade do que é ser único, mais do que fundamentais macro e micro nutrientes, tão trabalhados na nutrição ocidental e que, não completamente, esboçam a relação da saúde com a sua principal fonte de energia e reabastecimento - os alimentos. Mais do que tudo isso, o tratamento nutricional ayurvédico vem ampliar os benefícios da nutrição tradicional pois preocupa-se com a individualidade de cada ser e é pronta para despertar o instinto de observador e curador interno, levando-o a escolher de maneira natural o que é bom e a buscar um estilo de vida que lhe é próprio.
A Ayurveda, a Ciência da Vida Longa, em especial no contexto da Nutrição Ayurvédica, traz clareza e conhecimento complementares para o que realmente acredito ser o caminho para a saúde e bem–estar integral do indivíduo. Dessa forma, não menos importantes que o conhecimento destes nutrientes nos alimentos, os seis sabores presentes neles, como o doce, ácido, salgado, picante, amargo e o adstringente, juntamente com a capacidade digestiva de cada organismo, o Agni, determinarão o que realmente será aproveitado pelo corpo ao fim do processo digestivo.
Então porque a boa digestão é tão importante?
A eficiência da digestão em quebrar o alimento e absorver os nutrientes determina a qualidade de sua imunidade e da eficiente habilidade de regenerar os tecidos de forma saudável e normal. Se a digestão for fraca ou mesmo forte demais, o organismo não receberá a nutrição suficiente e o corpo se tornará enfraquecido com uma imunidade danificada. Quando o alimento permanece parcialmente digerido no processo da digestão ele se tornará toxina. A Ayurveda descreve esta toxina como um material oriundo do alimento não digerido, sendo tóxico, grosso e pegajoso chamado “Ama”. Ama se mistura com o sangue e a linfa, circula pelo corpo e deposita-se em áreas deficientes ou de fraca imunidade. Se estes depósitos continuarem a receber toxinas, podem causar bloqueios e propiciar doenças nessa área. Por exemplo, quando as toxinas se depositam nas articulações podem produzir artrites, quando localizadas nos pulmões produzem congestão, muco e asma. Manter uma digestão adequada é tão importante quanto comer alimentos frescos e saudáveis, porque mesmo uma dieta saudável pode produzir toxinas se permanecer não digerida no estômago e intestinos.
Experimente a Nutrição Ayurvédica planejada especialmente para você e encontre mais prazer e saúde como você precisa e seu biotipo requer!!!
Inspire-se, encoraje-se e encontre com o seu oriente!!!


Nutricionista Juliana de Borba Percegona– CRN8 1156
Especialista em Nutrição Clínica, Terapêuta Ayurvédica e Mestre Reiki
Atendimento:Beleza Zen (18) 3641 6006
www.acompanheaju.blogspot.com
julianapercegona@yahoo.com.br
Curitiba- PR - Brasil
Você sabia que os sabores dos alimentos não são somente para favorecer o paladar, mas eficientes articuladores na terapêutica médica/nutricional na Ayurveda?
Você sabia que muitas especiarias podem determinar ou aprimorar a relação de nutrição das células junto com a eficácia de seus princípios ativos?
Você sabia que a qualidade da sua digestão está diretamente relacionada com a ausência ou presença de doenças como intolerâncias alimentares, cânceres, distúrbios pulmonares, transtornos digestivos, deficiências imunológicas, entre outras?

domingo, 20 de setembro de 2009

Anatomia Emocional

Um fim de semana com Regina Favre nunca é um evento qualquer. Estamos nos últimos meses do Seminário Vivenciado de Anatomia Emocional. Um processo formativo que leva 18 meses de maturação. Sim, duas gestações completas. E para o espanto de muitos que acreditam que seja tempo demais para investir em um curso, é o mínimo de tempo necessário para dar passagem a vida.

Nunca ouviu esses conceitos? Ficou curioso? Pesquise mais no link abaixo.

"A transmissão formativa se constitui num evento em si mesmo. É a experiência corporificada de uma bem tramada produção em camadas de corpos e ligações, conhecimento formativo somático e conceitual, linhas narrativas, gravar e ver vídeos, exercícios de formulação do pensamento na linguagem formativa, posturações de si mesmo, a experiência do método Kelemaniano de corpar, desenhar somagramas, produção de mapas conceituais, conversas sobre história social, política, biologia, modos de subjetivação, auto-narrativa somática, descrições de diferentes pessoas funcionando em suas vidas e seus mundos."

Esses Seminários são realizados no Interação, em Araçatuba. Local de gente feliz coordenado por minha querida amiga Vivi Tuppy.

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

Pathwork - O que é?

Pathwork é uma disciplina espiritual contemporânea que visa o auto-conhecimento, ensina a auto responsabilidade e busca a transformação pessoal em todos os níveis de consciência. Seu objetivo é nos alinhar com nossa Essência Divina, como meio de acessar o poder, a sabedoria e o amor que são nossa real natureza.
O material do Pathwork, representado por palestras sistematizadas por Eva Pierrakos, ao longo de mais de 20 anos, tem um forte conteúdo psicológico; não mantém nenhum vínculo com qualquer seita ou religião.
Pathwork – Trabalho que se desenvolve nos Estados Unidos, na Europa e há mais de dez anos está no Brasil – representa uma poderosa disciplina para alcançar a essência humana. Esse trabalho não é apenas teoria e filosofia, mas um processo vivo e dinâmico que capacita qualquer pessoa que esteja seriamente disposta a explorar o eu mais profundo, centrando-se no processo evolucionário do indivíduo e em seus bloqueios. Se as pessoas persistirem nesse trabalho, serão capazes de abrir uma nova consciência no interior de si mesmas, e de ajudar os outros a seguirem a mesma direção.
O caminho exige honestidade com o eu; exposição do que é agora; eliminação das máscaras e fingimentos; admitir sem disfarces a própria vulnerabilidade. e ao mesmo tempo é a única maneira real, e o caminho que conduz à paz e à totalidade genuínas.
E uma vez que se desiste do esforço para fingir e se esconder, essa tarefa passa a ser um processo orgânico e natural.
O trabalho do Pathwork indica o caminho para aqueles que anseiam por um relacionamento mais verdadeiro consigo próprio e com a vida. Através do estudo e vivência das palestras que propiciam um profundo conhecimento de si mesmo, podemos dissolver velhas crenças, condicionamentos e imagens errôneas. Neste processo a energia, até então aprisionada, torna-se novamente disponível para uma expressão vital mais positiva

Citações
“ Pathwork é o trabalho espiritual mais profundo e eficiente que encontrei e tem me ajudado a realizar os meus sonhos. É um caminho de verdade, prático, que transformará sua vida.”Barbara Brennan, autora de “Mãos de Luz”. Ed. Cultrix

A Dimensão Espiritual e o Pathwork segundo o psiquiatra John Pierrakos
“Ao trabalhar com as palestras do Pathwork, percebi que esses novos métodos podem ser transmitidos a outros terapeutas – psiquiatras, psicólogos e todos os que ajudam outros seres humanos. O trabalho incorpora, mas transcende, a psicoterapia e abre possibilidade de descobrir os mais altos potenciais de cada ser humano, e não apenas “curar neuroses” ou ajudar as pessoas a resolverem seus problemas.”

É um caminho de luz, embora não seja leve. Que maravilhoso presente para o mundo!”Pat Rodegast, autora de “O livro de Emmanuel”
http://www.pathworksp.com.br/

PALESTRA DE APRESENTAÇÃO

DIA 23/9/2009 às 20 HORAS

LOCAL: BELEZA ZEN - BIRIGUI

Pedimos a gentileza de confirmar a presença pelo fone (18) 3641 6006 ou msn/email: beleza.zen@hotmail.com

terça-feira, 1 de setembro de 2009

Curso de Meditação - Modulo I

Minha busca por uma "mente pacificada e um coração apaziguado" começou muito cedo, quando eu ainda era uma pré-adolescente de 11 anos. Naquela época já praticava o Tai chi chuan e através dele conseguia uma paz interior que meus hormônios na época não permitiam naturalmente. E durante essas práticas percebia as mudanças no meu comportamento e me interessei por metodologias que ampliasse essa experiência no dia a dia.
Bem, meus leitores queridos, ao longo de todos esses anos, de tentativas e persistências e desistências, confesso a vocês que não é tarefa fácil. Estou caminhando sempre, mas minhas expectativas sempre me derrubam, pois como aprendi com minha querida amiga e mestre Vivi, neste maravilhoso percurso, expectativas não se aplicam a esse estado que quero encontrar.
Por esse motivo que mais uma vez iremos promover o Curso de Práticas Meditativas para iniciantes. Para você que esta buscando metodologias, experiências e muito conhecimento. Em grupo a meditação toma forma e o entusiasmo dos companheiros nos ajudam nessa jornada... interior, misteriosa, mas poderosa, curadora e revigorante.


Esse texto que segue é a descrição maravilhosa dessas etapas que temos que percorrer para controlar essas vozes que habitam nossa mente. Aqueles que ja fizeram os modulos I e II deste curso entenderão perfeitamente essa experiência. Aos aspirantes, deixo para ampliar a curiosidade e motivação!

Caminho da meditação estabilizadora
(Kalu Rinpoche, in “Luminous mind: the way of the Buddha”. Compilado p/ Denis Töndrup,trad. p/ Maria Montenegro, prefácio de S.S. o Dalai Lama.Boston:Wisdom,1997. pág. 157-158).




Os nove estágios do caminho da meditação estabilizadora
(desenho tibetano)

Esta ilustração é a reprodução de um desenho tibetano que representa nove cenas, os nove estágios do caminho da meditação estabilizadora ou shamatha.

Há dois personagens: o homem - o meditador, o observador - e o elefante, que representa sua mente. Para desenvolver shamatha, a mente usa duas ferramentas: a atenção e a lembrança . A afiada machadinha representa a acuidade da atenção vigilante; a corda com um gancho é a lembrança da prática . Já que muitas distrações interrompem seu estado alerta, vigilante, o meditador deve retornar a ele através de constantes lembranças. A vigilância é a acuidade na base da meditação e a lembrança assegura sua continuidade. O estado de shamatha tem dois obstáculos principais: o primeiro é a agitação ou dispersão criada pela fixação sobre pensamentos e emoções passageiros; o segundo é o torpor ou preguiça, a estagnação mental . O torpor é representado pela cor preta do elefante e a agitação pelo macaco. O fogo que diminui ao longo do caminho representa a energia da meditação. Conforme avançamos, a prática requer menos e menos esforço.

As seis curvas ou voltas no caminho marcam seis platôs, masterizados sucessivamente pelas seis forças da prática, que são: ouvir as instruções, assimilá-las, lembrá-las, vigilância, perseverança e hábito perfeito . Ao lado da estrada há diferentes objetos: um katha, algumas frutas, uma concha cheia de água perfumada, pequenos címbalos e um espelho, representando os objetos dos sentidos; objetos tangíveis, sabores, odores, sons e formas visuais, que distraem o meditador, que se desvia do caminho do shamatha ao segui-los.

[1] Na base da ilustração, no primeiro estágio, há uma distância consideravelmente grande entre o meditador e sua mente. O elefante da mente é guiado pelo macaco - a agitação. O grande fogo mostra que a meditação requer bastante energia. Os obstáculos são os piores possíveis; tudo está preto.

[2] No segundo estágio, o meditador chega mais próximo do elefante, por causa de sua atenção. O macaco — a agitação — ainda conduz a mente, mas o ritmo diminui. A estagnação e a agitação diminuem; algum branco infiltra-se no preto do elefante e do macaco.

[3] No terceiro estágio, o meditador não mais caça a sua mente; agora eles estão face a face. O macaco ainda está à frente, mas não conduz mais o elefante. O contato entre o meditador e a mente é estabelecido pela corda da lembrança. Ocorre uma forma sutil de estagnação, representada por um pequeno coelho. A escuridão da estagnação e da agitação diminui.

[4] No quarto estágio, o progresso torna-se mais claro e o meditador chega ainda mais perto do elefante. A alvura do macaco, do elefante e do coelho aumenta. A cena torna-se mais clara.

[5] No quinto estágio, a situação torna-se invertida. O meditador conduz o elefante da mente com a atenção e lembrança contínuas. O macaco não conduz mais, porém o coelho ainda está lá. A cena fica ainda mais clara. Em uma árvore próxima, um macaco branco pega uma fruta. Isto representa a atividade da mente ao se engajar em ações positivas. Apesar dessas ações normalmente precisarem ser cultivadas, ainda há distrações no contexto da prática do shamatha; é por isso que ela é preta e está fora do caminho.

[6] No sexto estágio, o progresso é mais definitivo. O meditador conduz e a lembrança é constante; ele não tem mais que colocar sua atenção sobre a mente. O coelho se foi e a situação torna-se cada vez mais clara.

[7] No sétimo estágio, a cena torna-se muito pacífica. A caminhada não mais requer direção. A cena torna-se quase completamente transparente. Alguns sinais de preto indicam pontos de dificuldade.

[8] No oitavo estágio, o elefante anda domado pelo meditador. Não há virtualmente mais nenhum preto e a chama do esforço desapareceu. A meditação torna-se natural e contínua.

[9] No nono estágio, a mente e o meditador estão, ambos, completamente em descanso. Eles são como velhos amigos acostumados a estar juntos calmamente. Os obstáculos desaparecem e a meditação estabilizadora é perfeita.
As cenas seguintes, nascidas do raio de luz que emana do coração do meditador, representam a evolução da prática no coração deste estágio de shamatha. A realização do shamatha é caracterizada pela experiência de alegria e radiância, ilustrada pelo meditador voando ou cavalgando sobre as costas do elefante. A última cena refere-se às práticas combinadas de shamatha e vipashyana. A direção é revertida. A mente e a meditação estão unidas; o meditador senta-se escarranchado sobre o elefante. O fogo revela uma nova energia, a da sabedoria, representada pela espada flamejante da sabedoria transcendente, que corta os dois raios negros das aflições mentais e da dualidade.


quinta-feira, 27 de agosto de 2009

1º Congresso Brasileiro de Ayurveda


Estão abertas as inscrições para o 1º Congresso Brasileiro de Ayurveda que ocorre nos dias 14 e 15 de novembro, sábado e domingo, na PUC-Rio. Ele é realizado em comemoração aos 10 anos de atividades da Associação Brasileira de Ayurveda (ABRA) e conta com a participação de especialistas renomados do Brasil e do exterior, de países como Índia e Argentina. A programação conta com reflexões, meditação, apresentação de dança indiana e palestras sobre práticas específicas do ayurveda – medicina indiana milenar. Mais informações: http://www.ayurveda.org.br/ ou no telefone (21) 2537-3251.

1º Congresso Brasileiro de Ayurveda
Data: 14 e 15 de novembro de 2009
Local: Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio)
r. Marquês de S. Vicente 225, Gávea, Rio de Janeiro.
Auditório Del Castillo (RDC) e Anfiteatro Junito Brandão
Informações: Associação Brasileira de Ayurveda - http://www.ayurveda.org.br/ - (21) 2537-3251

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

O poder dos sucos

Os suco de frutas sempre me encantaram desde a minha infância. Pelo sabor , cor e principalmente por ser algo muito hidratante e refrescante já que moro numa região de verões muito quentes.

Mas foi só depois que comecei a estudar Ayurveda que vi este delicioso líquido com outros olhos, já que sempre me falaram que era melhor comer a fruta toda do que só o seu suco, afinal precisava aproveitar as fibras das plantas para o bom funcionamento do intestino.

Mas, uma vez que você já esta com a sua alimentação adequada ao seu dosha, naturalmente suas fezes serão eliminadas. Foi então que esse conceito antigo caiu por terra e hoje uso e abuso dos sucos em minha alimentação e de minha família.

Os famosos sucos verdes ou de "marciano" como as crianças gostam de chamar agradam a todos. E no ano passado tive uma experiência maravilhosa com um tratamento de anemia simplesmente a base de suco de laranja com couve.

Segue um artigo que encontrei sobre os benefícios desses sucos. Desfrutem!

Abraços,

Alexandra

.......................................................................................................................................................

O poder dos sucos

A desintoxicação é um processo importante para mantermos nossa vitalidade, disposição e qualidade de vida. E uma das melhores maneiras é através dos sucos, jejum e limpeza intestinal.

Uma dieta com sucos é um meio muito interessante para desintoxicar o organismo, ainda mais no Brasil, onde a quantidade de frutas frescas é abundante. Apresentamos alguns sucos que trazem muitos benefícios:

Suco de maçã: é extremamente benéfico à saúde, devido a grande quantidade de Antioxidantes. Existe um ditado na Inglaterra que diz: "Coma uma maçã por dia e você nunca precisará visitar o seu médico. O suco de maçã pode ser consumido puro, ou associado à cenoura, beterraba e aipo, aumentando o poder desintoxicante e alcalinizando o Ph do sangue;

Suco de uva: também é um poderoso antioxidante, ajuda a diminuir o colesterol, ajudando a circulação;

Suco de morango: para a circulação também recomendamos a associação do suco de morango e melancia;

Suco de melancia: suco diurético associado com abacaxi e gengibre.

Suco de abacaxi: suco diurético, diminui o colesterol - favorece o trabalho da vesícula biliar – é indicado para má digestão, devido à sua quantidade de enzimas;

Suco de figo: favorece o trabalho da vesícula biliar;

Suco de gengibre: suco dirético, associado com abacaxi e melancia e favorece o trabalho da vesícula biliar;

Suco de maracujá: insônia e calmante;

Suco de mamão: má digestão e ajuda a função intestinal;

Suco de laranja: para a anemia a associação do suco de laranja e couve é excelente, devido à quantidade de ferro e vitamina C, que a ajuda na absorção do ferro.

E para celulite, uma alternativa é a mistura dos sucos de abacaxi, maçã, cenoura e gengibre, sendo este último opcional.

Outra maneira de mantermos nossa vitalidade é fazermos um dia de jejum mensal ou quinzenal, podendo ser só de frutas, sucos ou água. É uma maneira de darmos um descanso aos nossos órgãos e exercerem melhores suas funções.

O ideal é que nosso intestino funcione de duas a três vezes ao dia, após cada refeição. Como isso normalmente não acontece, resíduos se acumulam em nosso intestino, causando gases, cólicas, dor de cabeça, irritação e podendo levar a doenças crônicas a longo prazo. Por isso, a importância da limpeza intestinal como método preventivo e desintoxicante para todo o organismo. Ao associarmos uma dieta com sucos naturais, jejum e limpeza intestinal poderemos manter nossa saúde e qualidade de vida.

Fonte: Tiago Almeida e Solange, autores do livro "Colonterapia: Reeducação Alimentar, Desintoxicação, Rejuvenescimento" (Editora Gran Sol)

domingo, 16 de agosto de 2009

Novidades do Congresso de Estética e Curso Drenagem

Como todos os anos acontece, muitas coisas são lançadas e relançadas em congressos de estética. Afinal, esse mercado é um dos mais rentáveis hoje em dia e a a necessidade de injeção de novos produtos e tecnologias acompanha seu ritmo frenético. Neste último Congresso da revista Les Nouvelles Esthétiques Brasil (17º Congresso Científico Internacional de Estética) foram lançados algumas novidades que prometem resultado após muita pesquisa.

Para tratamentos corporais, os aparelhos de radiofrequência continuam em destaque. Esses já estão a dois anos produzindo comentários fervoroso em congressos. No primeiro ano surgiram apenas para o setor de medicina estética e realmente os resultados mostrados foram eficientes. Ano passado as esteticistas tiveram sua versão cabine de estética, regulado para uma potência menor que os utilizados pelos médicos. Esse ano eles ainda continuam em alta. Mas fiquem alerta e bem informadas antes de sairem correndo e se queimando por ai, por profissionais sem treinamento e equipamentos sem registros da Anvisa.

Na área cosmética, os elogios foram para o produto da Adcos, Cell Complex, que é pioneiro no Brasil na cosmética em produtos desenvolvidos com pesquisa de células tronco. Foi desenvolvida para combater o envelhecimento. Por meio do estímulo e proteção das células-tronco adultas, promove a reposição contínua das células da pele. O resultado é uma pele rejuvenescida, ou seja, mais luminosa, mais firme e com menos rugas.

O papel primário das células- tronco adultas em um organismo vivo é manter e reparar o tecido no qual elas se encontram. Leia mais sobre células- tronco no site do Conselho de Informações sobre Biotecnologia http://www.cib.org.br/apresentacao/cel_tronco_ppt_alexandra.pdf

Eu tive a grande oportunidade de participar do curso pós-congresso de "Drenagem Linfática Manual" ministrado pelo Dr. Leduc. Essa reciclagem em drenagem linfática foi tão importante quanto agradável. Ouví-lo falar das últimas pesquisas que o Grupo Europeu de Linfologia vem realizando, enche nós profissionais de emoção. Mais do que aprender sua técnica , Dr. Leduc desmistificou muitas informações que são ensinadas no Brasil sobre contra-indicações e indicações da drenagem linfática. Falou também dos vários aparelhos que são vendidos no mercado, mostrando nas suas pesquisas quais tem realmente alguma função sobre a linfa.

Terminei minha jornada muito grata por poder estar la e ouvir as palavras deste homem experiente que hoje é um dos mais respeitados pesquisadores desta área. Presidente do Grupo Europeu de Linfologia, membro da Sociedade Internacional de Linfologia, autor de livros e trabalhos científicos sobre Drenagem Linfática Manual em Fisioterapia e Estética e professor das Universidades Livre e “Velha” de Bruxelas.
Foto: Curso Internacional Pós-Congresso, nos dias 10 e 11 de agosto de 2009, eu recebendo das mão do Dr. Leduc o certificado da Ecole de Drainage Lymphatique de Bruxelles.

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

Ayurveda - Revista Super Interessante

A medicina indiana, uma das mais antigas do mundo, prega que boa saúde é resultado direto de viver em harmonia com o Universo. Entenda de onde vem essa idéia, como ela nasceu e como ela chegou aos nossos dias
por Rodrigo Rezende
"Doutor, minha cabeça está latejando, minha garganta está horrível e minhas costas não param de doer.” Depois de meia hora folheando revistas ao som de uma música que parece vir de algum elevador, é essa a primeira frase que você diz ao pisar na sala do médico. Você não vê a hora de terminarem as perguntas e os exames de rotina para poder entregar ao balconista da farmácia a receita com os garranchos característicos. Ufa... Como é bom saber que, em poucos minutos, a solução para todos os problemas estará em suas mãos.
Mas será mesmo? E se os remédios não funcionarem? E se houver um problema mais grave? E se você tiver de passar por um neurologista, um otorrinolaringologista, um reumatologista? Imagine encarar mais três consultas... É aí que a pergunta vem à mente: não existe outro jeito de lidar com as doenças?
Só o modo como formulamos essa questão já revela o quanto é difícil para nós pensar a medicina a partir de um ponto de vista exterior à mentalidade ocidental – claro, nossa sociedade está toda imersa nela. A moderna medicina ocidental é mesmo quase sempre o jeito mais eficaz de curar doenças – isso não se discute. Mas, se tivéssemos uma concepção de mundo e um paradigma cultural mais próximos dos valores do Oriente, a pergunta a ser feita poderia ser outra: o que fazer para equilibrar a saúde? É essa a principal preocupação do ayurveda (do sânscrito ayus, “vida”, e veda, “conhecimento”), sistema de medicina indiano criado há aproximadamente 5 mil anos – um dos mais antigos do mundo.
Se a consulta descrita acima fosse feita com um médico ayurvédico, você teria de esquecer a pressa habitual e relaxar, pois o diagnóstico só viria depois de uma longa conversa que vai bem além da mera exposição dos sintomas físicos. A medicina ayurvédica não vai resolver seus problemas só com remédios nem é dividida em especialidades médicas que multiplicam o número de consultas. Mas como funciona esse sistema de nome esquisito e qual a razão de todas essas diferenças? Se você quer mesmo saber a resposta, é melhor começar a relaxar desde agora e tentar se desprender ao máximo de seus valores. Para começar a compreender o ayurveda, é imprescindível um mergulho profundo na história e na filosofia desse modelo, para entender um jeito de pensar que certamente é muito diferente do seu.
ERA UMA VEZ
Vale do Rio Indo, Índia, 3000 a.C. O berço da que pode ter sido a primeira grande civilização do mundo. Foi lá que floresceu Mohenjo Daro, cidade que assombrou os arqueólogos em 1922, quando foi descoberta. O mais surpreendente nela, além de ter sido uma das maiores do mundo em sua época, era seu aspecto “moderno”.
As ruas formavam quadras geometricamente exatas e as casas eram funcionais, bem distantes do estilo de construção monumental do antigo Oriente. Mas o que deixava suas contemporâneas no chinelo eram as instalações sanitárias. Diferentemente da Mesopotâmia, de Creta e do Egito, outros “berços da civilização”, onde só havia banheiro nos palácios, em Mohenjo Daro instalações sanitárias e lugares adequados para lixo estavam em quase todas as casas.
A cidade contava com sistemas de água e esgoto tão avançados quanto os do Império Romano, que só surgiriam 2 500 anos depois. Ainda assim, Mohenjo Daro acabou. Foi lá por 2000 a.C., provavelmente por causa de invasões. Sabemos pouco sobre ela e sobre a civilização que a ergueu – sua escrita nem foi inteiramente decifrada. Mas o conhecimento de higiene gerado lá sobreviveu à destruição e teve grande influência sobre a medicina que começou a surgir na Índia.
No meio do segundo milênio a.C., outro povo entrou no subcontinente. Os arianos, vindos do centro da Ásia, ocuparam o vale do Indo e impuseram seus valores à civilização que vivia lá. Eles introduziram o sistema de divisão social em castas e a religião baseada nos Vedas. Os Vedas são tradições transmitidas oralmente por gerações, só depois compiladas em textos em sânscrito. Foram produzidos pelos brâmanes, a casta que detinha o conhecimento cultural e religioso dos arianos. Na Índia atual, esses textos têm valor comparável ao das Escrituras para a civilização ocidental. Mas nem só de religião tratam os Vedas. Eles também são a fonte do conhecimento médico que vai constituir a base do ayurveda.
Os três primeiros Vedas – Rig Veda, Yajur Veda e Samaveda –, são muito ligados ao misticismo bramânico ortodoxo e contêm descrições de práticas médicas que apelam para rituais mágicos e cultos a divindades. Mas o quarto Veda – Atharvaveda – é diferente. Ele foi composto por brâmanes dissidentes que se mudaram para as florestas, entraram em contato com a cultura autóctone da Índia e fundaram um movimento chamado aranyaka (de aranya, “floresta”). Esse Veda faz referência mais direta à fitoterapia e possui uma linguagem mais objetiva. “O Atharvaveda foi recusado pelos brâmanes tradicionais num primeiro momento, mas acabou sendo aceito”, diz o cirurgião e médico naturalista Antônio César Deveza, tradutor para o português do Caraka Samhita, texto clássico do ayurveda. “Tanto que os arianos começaram a procurar médicos aranyaka porque eles tinham uma medicina mais eficiente que a baseada só em preces e rituais.”
A transformação social gerada por invasões e guerras no século 5 a.C. fez com que a medicina se distanciasse cada vez mais da tradição ritualística. Nesse período, a influência dos brâmanes diminuiu, abrindo espaço para a assimilação de valores de outras culturas. Conceitos do budismo, um movimento muito influente na Índia daquele tempo, passaram a fazer parte do sistema. Os monges budistas tiveram um importante papel na disseminação da medicina ayurvédica e propiciaram o intercâmbio com a medicina chinesa – o outro grande sistema médico da época. “Há relatos de que a acupuntura era ensinada nos mosteiros budistas da Índia no início da era cristã”, afirma o médico especialista em medicina chinesa Aderson Moreira da Rocha, presidente da Associação Brasileira de Ayurveda.
É desse caldeirão de influências que saem os tratados médicos Caraka Samhita e Sushruta Samhita, publicados entre os séculos 2 a.C. e 2 d. C. Neles são descritos os conhecimentos de anatomia, fisiologia, fitoterapia e cirurgia que formam o substrato do ayurveda. “Os procedimentos cirúrgicos dessa época eram tão avançados que uma técnica chamada retalho indiano é praticada por nós até hoje exatamente do mesmo modo que o Sushruta Samhita ensinava”, diz Deveza. O retalho indiano é uma cirurgia em que se usa um pedaço da testa do paciente ainda ligado aos vasos sanguíneos para reconstituir o nariz. Isso exige um conhecimento de anatomia muito grande, algo que só pôde ser alcançado porque os pioneiros do ayurveda dissecavam cadáveres, prática proibida na cultura ariana – e também na cristã por muitos séculos. “Nesse período, os indianos já conseguiam identificar vasos linfáticos, venosos e arteriais e fazer trepanações (cirurgias cranianas)”, diz Deveza.
E qual foi o destino desse conhecimento tão avançado? Mais uma vez, a destruição. A era de ouro do ayurveda acabou entre os séculos 10 e 12, quando o norte da Índia sofreu invasões de muçulmanos, que impuseram o sistema médico deles. Mas alguns textos foram preservados por monges que fugiram para o Tibete e o Nepal. E, quando o imperador mongol Akbar ordenou a compilação do conhecimento indiano no século 16, a tradição ayurvédica foi resgatada.
A última ameaça de extinção do ayurveda aconteceu com a ocupação da Índia no século 19 pelos ingleses, que reconheciam como legítimas só as práticas médicas ocidentais. Mas a busca pelas raízes do ayurveda foi estimulada por Mahatma Gandhi durante o movimento nacionalista indiano, em meados do século 20. Ocorreu então um renascimento. Hoje há 400 mil médicos ayurvédicos atendendo na Índia. Surgiu inclusive a Universidade de Ayurveda Gujarat, a única instituição universitária ayurvédica do mundo. O passo seguinte foi a chegada dessa tradição ao Ocidente – graças a divulgadores como Vasant Lad, primeiro, e Deepak Chopra, depois.
Hoje em dia, há um grande esforço acadêmico para compreender a medicina ayurvédica. Esse é o intuito de iniciativas como a 8ª Conferência Internacional de Ayurveda, realizada no mês passado na Universidade de Cambridge, Inglaterra, com o objetivo de promover o estudo do ayurveda “a partir das perspectivas histórica, literária, antropológica, sociopolítica, econômica, biomédica e farmacológica”.
O emprego de tantas áreas do conhecimento para explicar um sistema médico se justifica porque, diferentemente da medicina ocidental, que pode ser compreendida por meio da visão analítica característica do pensamento científico, o ayurveda se baseia em uma concepção holística do mundo, na qual o todo não se resume à soma das partes. É por isso que, para o ayurveda, a frase que abre esta reportagem não tem a mesma importância que na medicina moderna ocidental. Um médico ayurvédico não vai tratar apenas sua cabeça, sua garganta ou suas costas. Para ele, as dores que você sente são sinais de um desequilíbrio que afeta todo o corpo.
Se você ainda não faz idéia do que termos tão abstratos quanto desequilíbrio e holismo têm a ver com a mulher melada de óleo na capa da Super, não se inquiete. É aqui que terminamos nosso mergulho histórico e iniciamos a jornada pelo universo de conceitos médicos do ayurveda.
SEU UNIVERSO
“A vida tem quatro componentes: corpo, sentidos, mente e alma. Quando essas coisas estão equilibradas, a pessoa está saudável.” Simples assim. Pelo menos segundo o único médico com doutorado em ayurveda em atividade no Brasil: o indiano Bokulla Ramachandra Reddy. A serenidade de suas frases curtas e de seu sotaque evocam uma sensação semelhante à da contemplação do infográfico da página 55 – a de que tudo é imensamente simples e, ao mesmo tempo, impossível de ser entendido em sua plenitude. Isso não é coincidência. Para captar o sentido da frase de Bokulla e o do infográfico é necessário antes compreender a Samkhya, doutrina que está na base metafísica de toda a medicina ayurvédica.
O conceito de equilíbrio mencionado por Bokulla é uma idéia central para o ayurveda. Ele se expressa não só nos princípios que regem a prática médica, mas também no ser humano e no Universo. Segundo a medicina ayurvédica, existe uma relação entre o microcosmo do interior do homem e o macrocosmo do mundo material. Um é o espelho do outro. Tudo isso é purusha. Quer dizer: tanto nós quanto o Universo somos constituídos da mesma substância. Daí a importância de se viver em harmonia com a natureza e a ênfase no cuidado constante com a saúde. “O ayurveda é um sistema mais preventivo que curativo e preconiza que, se o ser humano viver integrado com os ritmos da natureza, ele terá saúde”, afirma a consultora de ayurveda Márcia De Luca, representante de Deepak Chopra no Brasil. “E saúde não é somente a ausência de doença, mas um estado de bem-estar maior, no qual a pessoa se sente bem só por ser.”
Tem mais: tudo o que existe é formado por cinco elementos: fogo, terra, água, ar e espaço. Esse fundamento do ayurveda tem grande semelhança com a filosofia grega pré-socrática do século 5 a.C., que preconizava quatro elementos e deixava de fora o último, o “espaço”. Essa pequena diferença entre a visão grega e a indiana diz muito sobre a diferença entre o modo ocidental e o oriental de pensar. “Os indianos são mais espiritualistas e, por isso, concluíram que, antes de existir qualquer coisa, deveria haver um princípio de não-existência, o espaço”, afirma Deveza. Essa idéia também contribuiu para o conceito do número zero, fundamental para a matemática. O zero surgiu antes na Índia que no Ocidente.
Acontece que a forma pela qual esses cinco elementos se expressam no nosso corpo é bem complexa. Para compreender a manifestação dos elementos no homem, é preciso antes entrar em contato com o principal conceito médico do ayurveda: o dosha.
VATTA, PITTA, KAPHA
O corpo é composto de três doshas: vatta, pitta e kapha. Vatta é feito de ar e espaço. Pitta, de fogo e água. E kapha, de água e terra. Os doshas são as três forças energéticas fundamentais que representam todos os princípios psicofisiológicos do corpo. Descobrir a composição dos doshas de cada paciente é o intuito central do diagnóstico do médico ayurvédico. É a partir disso que o tratamento será desenvolvido. Cada pessoa possui uma proporção única dos três no corpo, que é determinada na data do nascimento. A essa proporção imutável, uma espécie de DNA dóshico, dá-se o nome de prakriti. É de acordo com o prakriti que todas as características físicas, psíquicas e espirituais do indivíduo se manifestam.
Então existem só três tipos de pessoa? Não é tão simples (lembre-se que tudo nesta reportagem – e na cultura indiana – é absurdamente complexo por trás de uma aparente simplicidade). Cada indíviduo pode ter a predominância de um, dois ou até de todos os três doshas no corpo. Isso faz com que cada paciente seja tratado de uma forma única. Afinal, cada pessoa possui um prakriti exclusivo. Lembre-se disso antes de cair na tentação de se encaixar em uma das classificações da tabela à esquerda. Ela apresenta só as linhas gerais dessa vasta teoria.
Além disso, de acordo com sua rotina, sua alimentação e até sua profissão, a constituição dóshica pode se distanciar do equilíbrio do prakriti e adquirir uma configuração instantânea diferente. A ela se dá o nome de vikriti. No ayurveda, a saúde só é alcançada quando o prakriti, a constituição natural, coincide com o vikriti, a configuração instantânea. É o que se chama de equilíbrio.
E como se acha essa “constituição natural”? Por meio de um longo diagnóstico, que acontece em quatro etapas. Primeiro o médico observa as caraterísticas físicas do sujeito. Depois faz minuciosos exames, que avaliam, entre outras coisas, a língua e a urina. Aí vem um questionário para descobrir o perfil psicológico. E, finalmente, o peculiar exame de pulso. Com três dedos no meu pulso esquerdo, o doutor Bokulla me explica: “O indicador mede o pulso de vata, que é rápido como o deslizar da serpente. O dedo médio avalia pitta, que parece os pulos da rã. E o anular, a pulsação de kapha, que é lenta e estável, como um cisne nadando. Você é vata-pitta”.
ENFIM, A PRÁTICA
Agora que já sei o meu prakriti, é só identificar as características físicas e psicológicas que me afastam da minha constituição natural e usar os tratamentos do ayurveda para restabelecer o equilíbrio do corpo. Muitos desses tratamentos têm um caráter preventivo, como a prescrição de exercícios físicos que estejam de acordo com os doshas. As pessoas que tem vata são agitadas. Elas devem fazer exercícios que levam para dentro, para acalmar vata, como ioga, dança, alongamento e caminhada. Da mesma forma, os com pitta têm fogo em excesso e precisam de jogging ou natação. E, para kapha, gente calma por natureza, o ideal são exercícios aeróbios, como corrida, musculação e artes marciais.
Outro tratamento importante é a definição de uma dieta que equilibre os doshas. Na medicina ayurvédica, os rasa (sabores) exercem papel significativo na regulação dos doshas. Comidas doces, ácidas ou salgadas equilibram vata. Os sabores adstringente, amargo e doce são bons para pitta. E alimentos amargos, adstringentes e picantes são indicados para kapha. De acordo com o ayurveda, a comida não deve ser nem muito cozida nem muito crua. E tem de ser ingerida morna, pois tudo que é gelado apaga agni, o “fogo” digestivo. O ayurveda é contra produtos enlatados, fermentados, refinados e quaisquer restos. A comida tem de ser feita na hora, de preferência sem agrotóxico – alimentos industrializados não possuem prana (energia).
O arsenal terapêutico do ayurveda inclui ainda ioga, meditação, ervas e massagem. “Na massagem ayurvédica, a escolha do óleo é feita de acordo com o dosha”, diz Aderson. Para vata, usa-se óleo de gergelim. Para pitta, de coco e kapha, de mostarda. Sempre óleo vegetal, de sementes orgânicas prensadas a frio.
Mas não há só terapias leves e agradáveis. No panchakarma (veja à esquerda), um tratamento para purificar o corpo, ocorre indução de vômitos, ingestão de purgantes, administração de enemas, inalação de fumaça e prática de sangria. Na capa da Super você viu o shirodara, o ritual de relaxamento que precede essa incômoda purificação. Com essa imagem calmante, fechamos a jornada pelos conceitos do ayurveda. E partimos para um tema polêmico: a tentativa de explicação do ayurveda pela ciência ocidental.
CURA QUÂNTICA?
“O corpo mecânico quântico é a base fundamental de tudo o que somos: pensamentos, emoções, proteínas, células, órgãos”. A frase é do livro Saúde Perfeita, do ayurveda indiano Deepak Chopra, que busca fazer uma síntese entre o ayurveda e a física moderna. Não estranhe se você não tiver entendido o que ele quer dizer. Afinal, se fosse fácil, Richard Feynman, um dos físicos mais brilhantes que passaram pelo mundo, não teria escrito: “Posso dizer sem medo de errar que ninguém entende a mecânica quântica”.
Nem todo mundo simpatiza com a tentativa de Chopra de explicar um sistema milenar com ciência moderna. Na verdade, a maioria dos cientistas fica arrepiada só de ouvir falar nisso. “Não há razão para estabelecer qualquer relação entre conceitos da física de partículas e a medicina ayurvédica ou qualquer outro tipo de medicina”, diz o bioquímico e professor de medicina alternativa Thomas J. Wheeler, da Universidade de Louisville, Estados Unidos. “Os efeitos da mecânica quântica raramente têm importância em escalas maiores que a subatômica”, afirma.
Então por que misturar física quântica com ayurveda? Talvez seja pela busca da junção entre o raciocíonio analítico da nossa ciência e a concepção de mundo holística do Oriente. Para a nossa sociedade, a ciência é a autoridade máxima, que separa o que é verdade do que não é – sua sanção é essencial para qualquer teoria.
Se é assim, então, o que é que a ciência diz do ayurveda? Pouco. O Comitê de Ciência e Tecnologia do Parlamento Britânico, num amplo relatório sobre terapias médicas alternativas lançado em 2000, concluiu que a medicina tradicional indiana, assim como a chinesa, é um sistema tão complexo e fechado que dificilmente pode ser comprovado ou desmentido. Claro que é possível testar em laboratório tratamentos específicos do ayurveda, e compará-los com equivalentes ocidentais. Mas as diferenças entre as visões de mundo são tão grandes que bem poucos estudos sérios foram realizados até hoje e os que foram trouxeram resultados que nos deixam longe de uma conclusão.
O que poucos médicos negam é que o paradigma indiano tem algumas idéias interessantes: a tese de que cada paciente deve ser tratado de um jeito, por exemplo, soa muito moderna. E a de que devemos olhar as pessoas, e não só as doenças, também tem ganho uma crescente aceitação no Ocidente. Por outro lado, é difícil negar que uma medicina que conta com microscópios eletrônicos, aparelhos de ressonância magnética e décadas de acúmulo de dados estatísticos tem condições melhores de fazer diagnósticos e de buscar curas.
Além disso, alguns tratamentos do ayurveda são muito criticados. “O sistema inclui terapias de purificação e eliminação que a medicina rejeita e que podem ter efeitos efeitos perigosos”, diz Wheeler. Sem falar que se empregam remédios como sangue e urina, o que não tem nenhuma validação científica. “O ayurveda incorpora elementos religiosos, mágicos e supersticiosos da Antiguidade, o que é incompatível com a medicina científica”, afirma o bioquímico.
A verdade é que qualquer tentativa de entender o ayurveda com olhos ocidentais vai ser no mínimo incompleta. E que qualquer conclusão para esta reportagem é no mínimo simplista. O ayurveda não é “cientificamente comprovado”, não nos percamos nessa discussão. Ele é o fruto de um modo de pensar cuja origem se perde no tempo, e propõe um estilo de vida baseado nessa experiência acumulada. Ir a um terapeuta ayurvédico esperando “eficácia”, ou mesmo “cura” – conceitos bem ocidentais – é perda de tempo. Mas tratar-se desse modo é um mergulho quase arqueológico numa visão bem diferente do Universo – o que não deixa de ser fascinante.

Com você, o Universo
Se você entender a ilustração abaixo, entende todo o Cosmos.Trata-se do Samkhya (sam é"verdade", khya é "conhecer")
O pai
Purusha é a consciência pura, a verdade, o poder curativo, o estado transcendental do ser e existir. Ele é constituído de energia pura. Não tem forma nem cor e não exerce parte ativa na criação do Universo
A mãe
Prakriti é vontade e matéria primordial. É a mãe divina da criação. O Universo é formado da união de prakriti com purusha, que dá origem a toda a matéria do mundo físico
O filho
A primeira expressão da junção entre prakriti e purusha é mahad. Mahad é a inteligência suprema que antecede o surgimento do eu. Essa espécie de inteligência coletiva se manifesta em cada célula que constitui o nosso corpo
O eu
De mahad surge ahamkara, o princípio de individualidade que separa a nossa consciência da conexão com o mundo material. Ahamkara nos dá a capacidade de perceber o corpo como uma entidade distinta dos demais objetos
O restoCom a formação do sentido do “eu” por ahamkara, torna-se possível identificar as três qualidades universais que constituem todas as coisas do Universo e influenciam o corpo e a mente: sattva, rajas e tamas. Sattva é a essência da luz, rajas é a transformação e tamas é inércia e escuridão

Para resumir
A tabela abaixo é um guia muitosimplificado. Mas ajuda a entender a base sobre a qual o ayurveda se apóia
Kapha
Características físicas - As pessoas com constituição kapha possuem tórax largo e boa massa muscular e óssea, porém com tendência a ganhar peso. A pele é macia, fria e pálida
Características psicológicas - Estabilidade, calma, paz, compaixão, paciência, suavidade, receptividade, perdão, alegria, lentidão, resistência, fé, apego, cobiça, materialismo, sentimentalismo, luxúria
Alimentação - A comida deve ser morna, leve e seca – e os sabores picantes, amargos e adstringentes. Há que se evitar doces, salgados e ácidos, que favorecem o acúmulo de gordura
Calendário - Kapha predomina do nascimento até os 20 anos. Ele deve deixar coisas importantes para os períodos entre as 6 e 10 e entre as 19 e 23 horas
Sonhos típicos - Nadar, achar dinheiro, comer doce, fazer uma mesma coisa várias vezes, chegar atrasado, ver-se morto, inverno, primavera
Elementos - Água e terra
Pitta
Características físicas - Os indivíduos do tipo pitta são de tamanho mediano, com musculatura moderada. O fogo faz com que tenham muita sede e apetite. O corpo é quente, a face vermelha
Características psicológicas - Percepção, inteligência, liderança, inventividade, lógica, coragem, ambição, irritabilidade, raiva, crítica, audácia, orgulho, vaidade, dominação, precipitação, rigidez, manipulação
Alimentação - Os sabores indicados são adstringente, amargo e doce; já o ácido, o salgado e o picante aumentam o fogo e devem ser evitados. Prefira comida crua e evite óleos e condimentos
Calendário - Os melhores horários são no meio do dia, entre as 10 e 14 horas, e no meio da noite, entre as 22 e 2. E a melhor fase é no meio da vida, entre os 20 e 60 anos
Sonhos típicos - Estudar, bombar na prova, atrasar, comer, fogo, matar alguém, estar vestido inapropriadamente, ficar nu em público, verão
Elementos - Fogo e água
Vata
Características físicas - As pessoas com predominância de vata são magras, têm pouca musculatura e dificuldade para ganhar peso; são mais friorentas e têm a pele fria e seca
Características psicológicas - Entusiasmo, flexibilidade, adaptabilidade, boa comunicação, criatividade, rapidez para aprender, facilidade para esquecer, ansiedade, inconstância, insegurança, indecisão
Alimentação - Alimentação - A comida pode ser pesada e condimentada. Sabores indicados: doce, ácido e salgado. Deve-se evitar o picante, o amargo e o adstringente. Prefira alimentos cozidos
Calendário - Os indivíduos de vata devem deixar decisões importantes para a tarde (entre as 15 e 19 horas). Esse dosha tende a se fortificar após os 60 anos
Sonhos típicos - Ser atacado ou perseguido, cair, sentir-se paralisado de medo, morte do amado, voar, cobras, outonoElementos - Ar e espaço

Quem não se purifica...
Passo a passo, conheçao panchakarma, tratamento depurificação do ayurveda
O panchakarma busca equilibrar os doshas e livrar o corpo do acúmulo de ama, comida não digerida que permanece no organismo e é a raiz de muitas doenças. Depois de uma preparação, ele consiste no seguinte:
Vamana
O paciente é induzido ao vômito a partir da ingestão de ervas medicinais
Verichana
Mais ervas são administradas para gerar um efeito purgante
Basti
Óleo vegetal é introduzido no intestino grosso através do ânus
Nasya
Ocorre a aplicação de substâncias líquidas nas narinas e a aspiração de fumaça de ervas
Rakta mokshaÉ feita uma sangria por meio da aplicação de sanguessugas

Pilulas de sabedoria
Inspire-se com algumas dasmáximas do Caraka Samhita,texto clássico do ayurveda
1. “A condição de estar liberto das doenças é a melhor fonte de virtude, prosperidade, gratificação e emancipação. As doenças são destruidoras dessa fonte, do bem-estar e da própria vida.”
2. “O ayurveda é aquilo que trata do que é bom e do que é ruim, de uma vida de felicidade e de infelicidade, do que promove o desenvolvimento e do que não promove, da medida exata das coisas e da natureza.”
3. “Mente, noção de individualidade e corpo formam um tripé sobre o qual o mundo dos seres vivos se mantém.”
4. “O uso excessivo, o não uso e o mau uso do tempo, da inteligência e dos objetos dos sentidos é a tripla causa das doenças psíquicas e físicas.”
5. “O corpo e a mente são a sede das doenças e dos prazeres. O uso equilibrado é causa dos prazeres.”6. “As doenças curáveis retrocedem pelas substâncias que têm propriedades energéticas opostas com a devida consideração quanto a dose, lugar e tempo.”

Para saber mais
Na livraria:
Textbook of Ayurveda, Vasant Lad, The Ayurvedic Press, EUA, 2002
History of Medicine, Volume 2 – Early Greek, Hindu and Persian Medicine, Henry E. Sigerist, Oxford University Press, EUA, 1987
Saúde Perfeita – Um Roteiro para Integrar Corpo e Mente com o Poder da Cura Quântica, Deepak Chopra, Best Seller, 1990
Na Internet:
www.divinity.cam.ac.uk/CARTS/dhiir/default.html - The Dharam Hinduja Institute of Indic Research, da Universidade de Cambridge
www.ayurveda.org.br - Associação Brasileira de Medicina Ayurvédica (Abra)www.ayurveduniversity.com - Gujarat Ayurved University, a única universidade do ayurveda no mundo
Link: http://super.abril.com.br/saude/ayurveda-444636.shtml